segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

I.R.V - Parte 4 - Gretsch Rancher 1957



Um pouco de historia sobre a Gretsch Guitars 





Com ênfase no compromisso com a qualidade ao longo de um histórico de 130 anos, Gretsch foi pioneiro em novos projetos e técnicas de fabricação, ganhando endossos de alguns dos artistas mais respeitados da indústria musical, incluindo Chet Atkins, Eddie Cochran, Billy Duffy, Bono, Duane Eddy, George Harrison, Brian Setzer, Stephen Stills, Charlie Watts e Neil Young.
 
Tudo começou em 1883, quando Friedrich Gretsch, de 27 anos, imigrante alemão, fundou sua loja na cidade do Brooklyn em Nova York, e começou a fazer banjos, tambores e pandeiros. Apenas 12 anos depois Friedrich morreu, deixando a companhia nas mãos de seu filho adolescente Fred.
 
Embora possa ser um início improvável para um século mais longo no legado musical, o jovem Fred não era um adolescente típico. Em 1916 ele tinha construído com ajuda da familia, a empresa em um dos principais importadores da América e fabricantes de instrumentos musicais, e as operações se mudaram para um prédio de 10 andares na 60ª st. com a Broadway no bairro do Brooklyn em Nova York.



 
Fred sabia que ouvir o que o público queria era a chave para o crescimento, e o público queria guitarras. Então, Gretsch começou a fazer guitarras.
 
Inicialmente, Gretsch ofereceu arquiteturas acústicas destinadas a músicos de jazz, e um punhado de flat-tops para artistas country-western.
 
Enquanto isso, 1935 marcou um ano importante para Gretsch. Charles "Duke" Kramer se juntou à equipe. Kramer passou a se tornar um pilar da empresa Gretsch, e permaneceu um valioso conselheiro e embaixador até sua morte em 2005.
 
Fred Gretsch, Sr. aposentou-se da companhia em 1942, deixando as operações do dia-a-dia a seus filhos Fred, Jr. e William.
 
Fred Gretsch, Jr. dirigiu a empresa brevemente, depois deixou a empresa para servir com distinção como comandante na Marinha, e Bill Gretsch tornou-se presidente, servindo a empresa até sua morte em 1948.


 
O comando foi passado outra vez a Fred Gretsch, Jr. e o veterano da marinha conduziu a companhia em uma idade nova de prosperidade nos anos 50. Gretsch, sendo o primeiro a usar acabamentos de cores personalizados, foi posicionado de forma única para ter sucesso nesta época conhecida como "Era Atômica". Durante os anos 50, eles ainda superaram as maravilhosas novas criações de Leo Fender, com um aumento nas vendas também creditado a artistas de alto nível e endossantes como Chet Atkins, Eddie Cochran e Duane Eddy.
 
Os anos 60 trouxeram maior impulso a Gretsch Guitars quando George Harrison dos Beatles passou a usar uma guitarra Gretsch.
 
No final dos anos 60, Fred Gretsch se aposentou e vendeu a empresa para a Baldwin Manufacturing. Baldwin teve dificuldade em entender a posição de Gretsch no mercado e não conseguiu fazer uma boa transição através dos anos 60 psicodélico e hard-rock dos anos 70. Crianças inspiradas por Jimi Hendrix, Jeff Beck e Eric Clapton voltaram-se para Fender.  
Para piorar as coisas, Baldwin transferiu a produção para o Arkansas, e Gretsch sofreu dois incêndios desastrosos. O casamento Baldwin sempre foi um infeliz. Com as vendas para baixo e a sede cada vez mais desinteressada, Gretsch passou por um periodo muito ruim durante a década de 1970 e, finalmente, encerrou a produção no início dos anos 80.
 
Mas desde que a empresa havia deixado a família, Fred Gretsch III jurou que retornaria. Em 1985, seu sonho se tornou realidade, e durante a década de 90 ele trouxe Gretsch de volta para o centro das atenções com uma série de sucessos, re-edições e novos modelos.
No final de 2002, foi feito um acordo para que a Fender Musical Instruments Corp. gerenciasse a fabricação e distribuição da Gretsch, permitindo que a marca fosse novamente ouvida e reconhecida em todo o mundo até os dias de hoje.


 Legal né, uma boa historia, até parecida com a história de outras grandes companhias famosas de guitarras. Mas o intuito dessa postagem é mostrar um raro e vintage instrumento Gretsch dos anos 50


Violão Gretsch Rancher 1957



Detalhes da etiqueta interna do violão








 O charme das marcações na escala


 Design diferente e inovador para época, com essa boca triangular e essa ponte maior de madeira com um bloco de metal sustentando as cordas.


 Tampo reto e fundo arqueado, bem interessante...





 Close nas tarraxas



 E o braço em maple com filete em rosewood.








 Belo e raro instrumento vintage.. 



Continua em  I.R.V - Parte 5 (click para ler)














 

Nenhum comentário:

Postar um comentário