terça-feira, 24 de janeiro de 2012

ATO XXVI : Minha Vida












Minha vida é como uma balança 

Sabe,tem um equilibrio... É uma dose de uma coisa e outra
Para ser muito bom vou estar muito mal
Para cada inspiração uma expiração
A vida é legal, a vida é chata ao mesmo tempo
Pois devo achar  isso... Sim...
Pois senão não haveria um equilíbrio
Não que eu queira
Para se chegar ao mais alto, a  base deve estar muito baixa
Enterrada no escuro
O grandioso topo é tão claro
Nem a noite pode o apagar
A minha vida é uma balança
E este equilibrio é fundamental
Eu quero viver tanto que não pedi para nascer
Mas posso não envelhecer 
Entre uma dose e outra de equilíbrio eu sou essa balança


















Nenhum comentário:

Postar um comentário